14.7.16

A mudança completa sem mudança de ser


O assunto dessa semana é sem duvidas o mais complicado de ser tratado, apesar de ser bem discutido, envolve muitos aspectos que podem trazer grande conflito, dentre eles está à religião.

Confesso que já queria ter redigido um texto sobre há muito tempo, mas fiquei receosa. Então, quando recebi a proposta fiquei empolgada e já pus a mente para funcionar. Nessa semana irei tratar nada mais, nada menos do que a morte.

Então irei começar a partir do sentido denotativo da questão, o que é a morte? De acordo com o dicionário Aurélio morte é “1. Cessação da vida. 2. Termo, fim. 3.Destruição, ruína. 4. Pesar profundo.” Obviamente já era o de se esperar, quando essa palavra é dita nada legal e empolgante vem a sua mente, até porque morte é algo triste. Muitos até os veem como um mal e quando se diz sobre, alguns sentem medo e por esse e alguns outros motivos acho um assunto legal para ser tratado com vocês.

Eu estava me policiando para não chegar a esse ponto, mas, infelizmente, não acho outra maneira de introduzir o que quero dizer sem tocar nele. Por isso, antes de qualquer coisa, peço que não se exaltem.

O mundo na qual vivemos e convivemos nos faz deparar com muitos costumes, culturas, pessoas e etnias diferentes, em todo momento, em qualquer lugar. Diante disso, somos sempre expostos a diversos modos de crer a vida de uma forma distinta e claro, cada um escolhe a qual se adequar mais. Tratando sobre isso, chegamos ao ponto religião. Existem diversas e cada uma impõe o dogma que acredita ser o correto. Não irei citar nomes nem opinar sobre, pois não me acho digna disso, apenas citei para dizer uma única frase: Há aquelas que acreditam na vida após a morte e outros que não, outras acreditam que essa é a única vida que vivemos, já outras, negam, há também aquelas que acreditam na reencarnação/ressurreição e outras discordam. Apenas! Isso é simples, sempre haverá dois lados para uma mesma questão. Mas, quero saber de vocês, em que acreditam?

Apesar dos dogmas impostos, acho que cada pessoa vê o depois com sua individualidade, por tanto é difícil descrever algo que não conhecemos, afinal, ninguém voltou para nos contar com detalhes o que tem do outro lado. E com isso, o assunto que é discutível e legal acaba se tornando complicado demais.

O assunto morte é como falar sobre ET. Há vários vestígios, há várias informações, discussões e ideias, mas nenhuma única e concreta, porém, todas muito interessantes.

Eu acredito que nada acontece ao acaso, tudo tem um motivo e uma explicação (por mais sem sentido que possa ser) e acho que vocês já perceberam isso através dos meus singelos textos. A vida é um dos bens mais preciosos que temos a honra de ganhar e a forma em que viemos ao mundo é fascinante, mesmo com todas as explicações científicas, ainda me vejo atraída por ela. E da mesma forma, me sinto pela morte. Por que morremos? Para onde vamos? Como é do outro lado? Como era antes de virmos parar nesse mundo? Como vai ser quando chegar o fim? Quando será esse fim? São questões que levanto hipótese sobre hipótese e me perco facilmente.

Por que morremos? Acho que como disse anteriormente, tudo tem um motivo, uma explicação e um porque, por isso, acho que quando viemos parar nesse mundo não foi à toa, apenas porque fomos fecundados e nascemos. Viemos ao mundo, pois cada um aqui, por mais errado que você seja, tem sua função e aprendizado, quando já cumprimos nossa meta somos surpreendidos com fim.

E podendo fazer um adendo sobre, essa explicação pode ser levada para vários outros caminhos, pois acredito que não existe apenas uma morte. Morremos sempre, quase todos os dias, a gente só não presta atenção. Pois a morte é um fim. E quantos fins somos submetidos a viver?

Para onde vamos? Como é do outro lado? Como era antes de virmos parar nesse mundo? Essas questões, felizmente ou infelizmente, não são possíveis de serem afirmadas e explicadas. Nem mesmo aqueles que acreditam que essa vida é apenas uma passagem podem nos explicar.

E por ultimo e não menos importantes deixei as duas ultimas questões que fiz acima: Como vai ser quando chegar o fim? Quando será esse fim? São questões que causam tanto medo nas pessoas. Como e quando, são questões especificas demais e que não podem ser descobertas. Até seria legal saber até quando estaremos aqui e como iríamos morrer, mas também seria um pouco assustador, não acha? Saber que aquele será seu ultima dia e que você irá morrer por tal motivo. Talvez, se fosse assim, muitos iriam tentar enganar o tempo e fazer de tudo para que não acontecesse. É como disse no inicio, devemos aceitar os fins e as mortes, se chegou ao fim é porque não tem mais o porquê de continuar sua missão, sua função nesse plano já foi feita e agora é crer no depois e desvendar o desconhecido.

E é isso que deixo hoje para vocês, pensem um pouco em relação à morte. E pense que talvez não existam motivos para que se tenha medo. Apenas viva cada dia e siga aquela famosa e clichê frase “Não deixe para amanhã, tudo aquilo que pode ser feito hoje”, pois, pode ser tarde demais. O futuro está ai, a morte também, aproveite a vida e não a desperdiça, siga seus sonhos, faça o que tenha vontade e seja. Apenas seja o que quiser ser.



2 comentários:

  1. Em meu pleno momento de aceitação a mim mesmo, quando to tentando me encorajar a ser apenas eu mesmo, você me aparece com um texto desse. Obrigada ❤❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo, espero mesmo que eu tenha ajudado você, pois estou aqui para isso. Fiquei extremamente feliz com seu comentário, sinceramente. Espero que você se aceite e não deixe que nada te abale. Lembre-se sempre de que você é maior do que qualquer coisa que tentar te derrubar. Não se esconda em coisas que não gosta apenas para agradar a sociedade, se aceite da forma que você é e não tenha medo de ser feliz. Se cuida, beijos <3

      Excluir

Publicidade

SheIn -Your Online Fashion Sexy dresses

Publicidade

Romwe Fall Coats

Publicidade

Subscribe