13.5.16

Confusão, mas também, realidade


A capacidade em que as coisas são e acontecem são complexas demais para serem explicadas de maneira totalmente absoluta e que não haja mais questionamentos capazes de fazer com que nossa mente viaje para novos lugares, dimensões e pensamentos. A realidade é tão complexa que às vezes se torna apenas irreal ou ilusória demais.

Quando se é tirado o tempo para questionamentos e explicações sobre a realidade das coisas, nossa mente se desloca e o que era aparentemente simples, se torna algo muito mais incompreensível do que somos capazes de imaginar.

Nossa mente é obscura, indecifrável, misteriosa e apaixonante. Quanto mais se busca mais se procura. Lógica do que é paixão para alguns. Talvez essa seja uma das causas para pessoas não gostarem muito da área de humanas. A capacidade do sempre querer mais e não se contentar somente com o exato é motivo de pânico para alguns. Mas, as discussões “humanas x exatas” ficará para outro dia, pois não é relevante nesse momento.

Para maior entendimento posteriormente, queria dar ênfase em uma frase de um filósofo grego, que com certeza todos já estudaram e estão cansados de ver. Tudo começou em uma aula de filosofia que tive recentemente, mesmo sabendo um pouco de alguns filósofos de trás pra frente e de gostar de opinar nas lógicas já impostas, eu me deparei com uma frase típica, de grande conhecimento, mas, que até então não era importante para mim. Depois dessa suposta aula, ela se encaixou como um quebra cabeça perfeito.

Qual seria a tal frase e o tal autor?“Todo ser é. Todo não ser não é.” – Parmênides. Que atire a primeira pedra quem nunca ouviu falar nessa frase. Essa frase meio obvia no primeiro impacto causa muitas controversas diante de questionamentos e é de difícil entendimento, porém, irei poupá-los de ouvir explicações de aulas de filosofia.

Citei tal frase porque, como já disse se encaixa em muitas situações do dia a dia. Muitas coisas são essências e são. Outras são ao contrário. O que você julga essencial muitas vezes não é. O que é importante para você, e realmente são, muitas vezes são jogadas de lado e tudo se transforma em um não é.

A ideia de que o que “é” passou a ser “está”, é contraditório demais pensar de supetão que vivemos isso no nosso cotidiano, mas, o seu cotidiano é isso. A partir do momento que há uma variação, tudo muda, toda a segunda parte da frase de Parmênides unida com a simples frase de Heráclito começam a fazer efeito sobre nós. Heráclito já dizia: “Tudo muda.” Nossa essência é mudança, nosso corpo é mudança, tudo está em constante mudança e isso é inquestionável a seus olhos.

O mais engraçado é que essa questão já foi dada em um texto anterior e muitos julgaram loucura, hoje é possível concluir que tudo o que eu disse faz um verdadeiro sentido.

Aos que não estão convencidos de que “tudo muda”. Só é preciso pensar na divisão do que é passado, presente e futuro. Essas delimitações são vulneráveis demais e impossíveis de maiores delimitações para dizer que tudo tem um começo, meio e fim, sem qualquer tipo de alteração. Por quê? O passado passa em um milésimo de segundo, o futuro vem na mesma velocidade. E o presente? Será que ele existe mesmo? Ou é algo ilusório, apenas? É um caso a se pensar não é mesmo?!

E olha só, voltamos à primeira ideia que disse quando comecei este texto: A bela frase de Parmênides, que diz que tudo é suscetível a deixar de ser e se transformar em estar, conclui-se no “... Todo não ser, não é.”

Nós somos assim, deixamos de ser e passamos a estar. Dizer isso é mais sombrio e assustador do que se possa imaginar. Quem somos nós, afinal? Pois bem, é preciso pensar bastante sobre isso.

O absoluto é uma palavra forte demais para dizer que tudo o que eu disse e tudo que foi  dito a milhões de anos é uma certeza, por isso não sou capaz de uma conclusão certeira, pois somos todos vulneráveis a toda e a qualquer tipo de mudança, a qualquer momento. Portanto, a busca do equilíbrio de si próprio e a busca do que "é" e não do "estar" para cada um de nós é de tamanha importância. Com a união desses dois grandes filósofos é fácil tentar resolver assuntos como esses. E hoje, terminarei o texto assim, com essa duvida no ar, para vocês, queridos leitores: O que "é" para você e o que é o "estar"? O que para você era "estar" e se tornou "é"? Já pensaram? Espero que sim. Aguardo muitas respostas e questionamentos! Beijos! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

SheIn -Your Online Fashion Sexy dresses

Publicidade

Romwe Fall Coats

Publicidade

Subscribe