15.1.16

Seja Apenas Você!



Inicio de ano é sempre uma loucura. Um corre-corre, aquela necessidade de transformação, metamorfoses infinitas, preparações, metas a serem compridass, descansos, viagens, escolhas, desistências, amizades, amores, horrores. São muitos motivos para serem programados, ditos e deveres a ser cumpridos, e certamente isso acaba nos desgastando um pouco demais.
            
Essas milhares de coisinhas que foram ditas e as consequências que aparecem de brinde, acabam nos trazendo ao assunto que eu já disse uma vez aqui no blog os questionamentos. Todas essas oscilações causadas por inícios de anos fazem nos perguntarmos exemplos simples como: “Estou tomando a decisão correta?” “Será que tudo isso vale a pena?” “E se eu me arrepender?”, além de nos trazer pensamentos como “Preciso mudar...” “Será que serei aceita?” e uma das principais “Terei que mudar minha forma de agir para ser aceita, mudar minha personalidade em alguns aspectos,...”. Parece assustador e um pouco hipotético tais questões quando paramos para analisá-las, mas sejamos sinceros, ao menos uma vez na vida já nos questionamos e afirmamos as propostas anteriores, não se precipite em dizer o contrário.
            
Os devaneios ocasionados pelos questionamentos nos enlouquecem quando tratados de assuntos tão pessoais a ponto de ser algo obscuro até para nós mesmos. Até mesmo aquilo que temos mais certeza diante do nosso próprio eu, passa a ser questionado quando estamos prestes a tomar decisões e/ou conhecer o desconhecido. Mas, quando pensamos em mudar nossa verdadeira identidade para agradar terceiros vale, realmente, a pena? Tentar se mudar para agradar aquela pessoa, para conseguir aquele trabalho ou aquela vaga na universidade tem tamanha necessidade?
            
Pessoalmente, eu não acho digno e correto mudar a própria personalidade para que se consiga algo ou alguém. Claro que existem casos ímpares para qual se deve ter pequenas mudanças, alguns ajustes e modificações, mas, mudar-se completamente é algo inquestionável. Não tem por que utilizar uma mascara e esconder sua individualidade.

Escutei uma frase alguns dias atrás que foi um dos motivos que me levaram a escrever esse texto: “Eu não ligo para o que os outros pensam sobre mim e o que acham que eu sou”. Depois que ouvi isso, minha cabeça ficou martelando e eu tirei uma breve conclusão de que é exatamente isso, para encontrarmos nossa felicidade pessoal, profissional, ética e social basta sermos nós mesmos. Esse jogo de que aparência é a “alma do negócio” e que muitos nos julgarem por ela, infelizmente ainda é sim uma verdade exposta em qualquer lugar, trazendo assim tantos problemas por aí, com as falsas identidades.

Mas quem são terceiros para poder nos julgar pelo nosso modo de vestir, de agir ou pelo nosso gosto musical e intelectual? Correto, absolutamente ninguém. Nenhum cidadão pode julgar alguém por suas diferenças sem antes conhecer a verdadeira pessoa que é. Se algo tem que mudar são os pré-conceitos criados pelas pessoas e não sua individualidade. Com os altos e baixos da vida acabamos aprendendo que você não precisa mudar para se encaixar, é o encaixe que precisa mudar por você. Se não for aquilo e aquele, ocorrerá o oposto. Se não foi dessa vez, haverá outra na qual aceitarão você da maneira que você é, independente da situação. Por tanto, o recado a ser dado é simples: Seja você e seja de propósito, somente assim conseguirá sua verdadeira felicidade. 

2 comentários:

Publicidade

SheIn -Your Online Fashion Sexy dresses

Publicidade

Romwe Fall Coats

Publicidade

Subscribe