24.10.15

“O essencial é invisível aos olhos.”


Um dos maiores males nos ronda mais e mais nos últimos tempos é a importância que damos as coisas materiais e nos esquecendo completamente do que realmente importa, o imaterial. O que não pode ser visto, mas sim, sentido.

Como já disse em um post anterior, as pessoas não dão mais tanto valor no que é real e ao que está ao seu redor, quem diria dar valor ao sentimento, tanto o próprio, tanto o alheio. Pessoas não dão importância no que se sente, estão virando um robô, na qual só se faz o que mandam e/ou o que está na moda. Esquecem totalmente do sentimentalismo e só pensam na racionalidade. Na literatura aprendemos muito sobre autores que eram favoráveis ao sentimentalismo, que criavam e espalhavam todos os sentimentos por onde passavam e conseguiam, apesar das criticas, mudar a vida de alguém, independente se fosse de forma positiva ou negativa, como nada feito antes. E digo que não só nos tempos que em viveram, mas ainda hoje, talvez, depois de séculos, ainda há autores que nos comovem e que nos faz mudar e tentar fazer a diferença.

A questão da tecnologia e do mundo globalizado mais uma vez nos atormenta quando tratamos deste assunto, pois são eles os principais causares de nos tornarmos pessoas frias e insensíveis. Ficamos tão preocupados no que está acontecendo em lugares tão distantes, no futuro, que às vezes esquecemos que às vezes o belo é o que está ali, do nosso lado. Ficamos tão vidrados nas mídias e nos eletrônicos que nos esquecemos da nossa vida real. E tudo isso tem a ver com o que é necessário para cada um, por quê? Por que o que é visto e o que é vivido nos faz sentir, viver mais e mais, nos traz sensações que nem ao menos imaginávamos que fossemos capazes de sentir.

E como brinde, nos preocupamos demais com o que o mundo nos tem a oferecer. Temos a breve mania de querer ter tudo que se lança, de dizer “eu preciso/ eu quero/ tenho que comprar”, mas já parou pra pensar que às vezes são coisas tão irrelevantes para nossa vida, que nada vai mudar se você tiver ou não, que muitas vezes é dinheiro/tempo gasto a toa? Mas mesmo assim por causa do capitalismo, temos esse impulso, diante de tudo que vemos.


E é exatamente isso que eu quero tratar hoje. Não são as coisas, as roupas mais caras, os apetrechos, os eletrônicos mais atuais, os itens de decoração, que vão fazer de você uma pessoa melhor ou não. São seu caráter e de quebra, os seus sentimentos.

Existem pessoas que compram compulsivamente para se sentirem bem, que tentam fazer o bem pelas pessoas através de itens materiais, mas o que quase todos precisam, são de coisas básicas, que não há dinheiro e nem pessoa no mundo que possa comprar: amor, afeto, carinho, cuidado, atenção. O mundo, infelizmente, está esquecendo o que são esses sentimentos, esses atos simples e que fazem toda a diferença. Muitas vezes não é necessário dar um presente, fazer algo material para alguém que está na “bad”, por exemplo. Muitas pessoas só queriam um simples abraço, um pouco de atenção, cinto minutinhos a mais para conversar, uma brincadeira, um sorriso sincero. É isso que as pessoas hoje estão perdendo e que precisam voltar a fazer.

Um exemplo super simples que muitos não fazem hoje e que é extremamente fácil é o “bom dia”. Comecem a perceber, como essas duas palavrinhas estão se tornando relíquia nos dias de hoje. Eu moro no interior e isso já é algo muito difícil de ser ouvido e sei o quanto é mais raro ainda quando se trata de capitais e grandes centros urbanos. E além do mais, até dentro da nossa própria moradia, em alguns lugares, nem o “bom dia”  é dito. Mas sabe um bom dia, um oi, dito para alguém, independente de quem seja pode fazer muita diferença. Um “Oi! Bom dia!” para algumas pessoas pode ser o inicio de uma nova vida, pode fazer o dia da pessoa melhor, é uma sensação muito boa que se tem quando recebe uma boa mensagem, por mais simples que seja, pois nos faz sentir mais encorajados e felizes. Seu dia muda uns 80%, com certeza.


Agora, imagina o que você é capaz de fazer por alguém que precisa bem mais que você. Já pensou que você dizer um oi a alguém desconhecido pode mudar totalmente o rumo dela? Já parou pra pensar quantas pessoas estavam ali, perdendo a fé, desistindo de lutar e até pensando em perder a própria vida e um simples gesto foi capaz de fazer a diferença? Você não sabe, mas uma palavra dita, um abraço dado, uma sms mandada, pode salvar muitas e muitas vidas, mas também pode acabar com muitas delas. Portanto escolham bem o que dizer e façam o bem, sempre. Mostrem para o mundo que vocês não estão se tornando os “robôs” que tanto querem. Mostrem que ainda há amor, há simplicidade e afeto por todos os lugares, basta querermos. E ainda somos seres sentimentais e não racionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade

SheIn -Your Online Fashion Sexy dresses

Publicidade

Romwe Fall Coats

Publicidade

Subscribe